terça-feira, junho 06, 2006

Eu andava quase morto no deserto, e o Porto aqui tão perto

A adaptação desta letra do Sérgio Godinho serve só para uma nota de rodapé, já que, a contrastar com a descrição deprimente que possa ter feito da Feira do Livro de Aveiro, houve no Porto momentos que realmente gostaria de não ter perdido. Como a conversa entre Saramago o Gonçalo Tavares, que, ao que dizem, estiveram em processo criativo partilhado. A falar da escrita. Lembrando que não há idades quando duas pessoas estão disponíveis para se encontrar.