domingo, novembro 06, 2005

Desempregados profissionais

Há quem diga que neste país levamos as coisas pouco a sério, mas parece que agora já não é bem assim. Pelo menos no que concerne ao desemprego.
É que tem sido amplamente divulgada a estratégia que o governo se prepara para implementar e que visa acabar com as situações de pessoas que, beneficiando do subsídio de desemprego, mantêm outras fontes de rendimento não declaradas.
Ora essa estratégia ( espero que esteja apenas em estudo) consiste em forçar os cidadãos que recebem o subsídio de desemprego a permenecer nas suas casas durante toda a manhã ou toda a tarde (alternadamente), na medida em que serão feitas visitas de fiscalização para atestar a veracidade da sua situação.
É hilariante. Não me passaria pela cabeça uma medida que tendesse mais para a desmotivação, a desinserção social, a letargia e, inclusivamente, para a dificuldade em arranjar novo emprego do que esta!
Já para não falar no quão pouco saudável é passar um período de desemprego fechado em casa, à espera dos "fiscais"...
Todas as estratégias de reinserção ( no mundo do trabalho, neste caso) devem ser um apelo à procura activa de um emprego, mas também à participação cívica, à motivação para actividades diversas, à formação contínua, à manutenção de um bom estado de saúde física e mental, etc.
É ridículo imaginar que um desempregado pode ser punido por não estar em casa durante pelo menos metade do dia, ainda que o rentabilize para ir a entrevistas de emprego, fazer contactos, levar os filhos à escola, fazer uma caminhada ou ler o jornal no café.
Se muitos aproveitam para ganhar uns trocos extra, conseguirão fazê-lo certamente neste novo regime, mas "por turnos"...
Não creio que este tipo de fiscalização demova os infractores, mas estou em crer que aumentará em muito a inércia dos outros.
Até a famigerada Lili Caneças sabe que "estar vivo é o contrário de estar morto"...
O que parece é que agora, ser desempregado é coisa tão séria, que quem não fique em casa a carpir mágoas corre o risco de ser tomado como mau "profissional"...